22 de setembro de 2016

642 coisas #2 - O que me irrita


    (Primeiramente: o post de hoje é sobre coisas que irritam, mas eu sou esquisitona e decidi colocar uma música no piano pra deixar a melancolia no ar. Na verdade, eu só gosto da música mesmo.)
 
    Eu estava cheia de ideias para escrever sobre séries, resenhas, tags e mais uma variedade de assuntos para trazer pro blog e ainda tenho uma lista de ideias consideravelmente grande, mas falta aquela inspiração para escrever bonito. Além disso, alguns temas necessitam de algumas pesquisas e isso exige tempo e paciência, duas coisas escassas no momento. Mas, de todo jeito, estou bem contente com a forma como consegui criar esse blog e manter uma considerável rotina para escrever e postar. Não é sempre que sai um post novo, mas consigo preparar um para cada semana mais ou menos. Mas deixando de me queixar, no inicio do mês estipulei uma meta de 15 seguidores e estou adorando como mais pessoinhas estão aparecendo no gadget ali do lado.

    Enfim, vamos ao post em si. Lembrei do 642 coisas, assim do nada. Adoro esse projeto só pra deixar claro. Aí um dia fiquei sem fazer nada... Pergunta pra vocês: uma pessoa que não tem nada para fazer procura algo interessante ou que passe o tempo, certo? Logo, uma pessoa que possui uma lista do que fazer não deve arranjar mais nada, apenas seguir as atividades da lista, certo? Errado. Uma pessoa que possui muita coisa pra fazer continua encontrando mais coisas para fazer, e fazendo outras totalmente diferentes.

    E, como “sou dessas”, peguei uma caixa de óculos, uma folha de caderno e uma caneta e escrevi números de 1 a 61. Ah, mas não são 300 temas sugeridos até agora? Sim. Mas eu já enjoei escrevendo só esses 61, imagina 300. Então, rasguei os papeizinhos e coloquei dentro da caixa. Em outras palavras: fiz uma caixinha de sorteio. Saiu o tema 20, que pede uma lista de coisas que me deixam com raiva. Adoro listas. Aqui vai uma, com explicações e adicionais.


   1- Não conseguir terminar algo que comecei

   Sim, eu sei. É preciso determinação, foco, fé e tudo o mais. Mas, às vezes, nem com isso tudo dá certo. Parece que “brota” um problema e meu pensamento positivo “evapora”. Ai eu desanimo, começo a desgostar do que estou fazendo e deixo de lado. A culpa é minha? Toda. Passa-se algum tempo e eu me lembro de que não conclui o que havia planejado e fico com um péssimo sentimento de auto-depreciação. Resumidamente: a raiva é de mim mesma. (haja redundância)
   
   2- Perder contato com alguém

   Isso acontece com mais frequência do que gostaria. Eu mudei várias vezes de cidade, colégio, etc. E com essas mudanças eu conheci diversas pessoas, fiz muitos amigos. O problema é que quando eu mudo de novo, por mais que eu seja teimosa em continuar falando com a pessoa, os assuntos para conversas vão sumindo. Aos poucos, aquelas conversas animadas que viravam a madrugada tornam-se um horrível diálogo do tipo:

  • Ooi
  • oi. Td bom? 
  • sim. E contigo?
  • bem tbm 
  • que bom XD oq tem de novidades?
  • nada. E tu?
  • nada tbm
  • pse, poxa" "ne"
    Mensagem visualizada algumas horas depois e não respondida

    E é isso que considero perder contato. Sinto-me triste, angustiada e irritada comigo mesma por considerar-me culpada.

   3- Ficar esperando demais

   Sou muito impaciente. Não consigo esperar sentada por alguma coisa. Eu fico andando de um lado para o outro, começo a procurar outras coisas pra fazer. O pior é quando me convencem a esperar mais um pouco. Eu não aguento aquela fala típica da secretária: “Só mais um pouco, moça. Fulano já irá te atender”. É furada. Eu leio todas as revistas da sala de espera, leio todo o livro que levei na bolsa, checo todas as redes sociais e ainda fico esperando mais um pouco.

   4- Sentir demais pelas pessoas e me colocar no lugar delas

   Sim. Todo dia escuto, conheço e vejo pessoas que só pensam em si mesmo, ignoram qualquer outra pessoa e os sentimentos desta, mas, sinceramente, até que ponto é bom ser mais “compreensivo”? Assim como existem pessoas que sabem conciliar a ajuda ao próximo e as necessidades pessoais, há aquelas pessoas trouxas como eu que a todo momento se colocam no lugar do outro até que começamos a parar de pensar em si mesmo para tentar de todas as maneiras ajudar os outros. Parece estranho e não sei se todo mundo entende o que quero dizer, mas chega um ponto que sinto muita raiva de sempre tentar ajudar os outros e acabar esquecendo as minhas obrigações e as minhas necessidades, pois isso faz mal. Além de diminuir a auto-estima ainda me faz pensar como se eu fosse um lixo. Sei lá, é estranho, confuso e não faz muito sentido.

   5- Quebrar fones e carregadores

   Citei fatos mais emocionais e da minha personalidade. Mas todo mundo se irrita, ou já se irritou, com algo um tanto “fútil” (com fútil quero dizer algo material, algo que pode ser substituído), não é mesmo? Parece que meus fones de ouvido quebram pelo simples fato de serem utilizados. Simples assim. Por fora eles parecem em perfeito estado, mas aí eu plugo no celular, coloco a música no máximo e nada de querer funcionar. Dá uma “raivinha”. O mesmo acontece com os carregadores. Fora que meu gato adora mastigar fios, e é só eu esquecer sobre o sofá que, em minutos, perdi um carregador novinho.

    Contei essas cinco, claro que tem uma quantidade maior de outras coisas que me levam a ficar irritada, mas se eu colocar todas acho que fica repetido e esse post ficaria muito extenso. Mas, digam vocês, o que os irrita?

   Por hoje é só isso mesmo. Até!

10 comentários

  1. Irrita-me aquelas pessoas que defendem ferrenhamente uma opinião sem ter, para isso, um porquê. Um motivo justo, além de mero senso comum, que a justifique. Pior que, algumas dessas pessoas, ainda partem para a briga para defender seu ponto de vista infundado. Sou bem "me poupa" em relação a isso.

    Listinhas são sempre muito amor!

    Bom fim de semana para você!
    O Único Jeito

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! Realmente esse tipo de opinião sem fundamento é muito chato e, muitas vezes, chega a ser inconveniente quando essas pessoas começam discussões sem mais nem menos.

      Obrigada, e que seu fim de semana seja tão bom quanto!
      Beijos!

      Excluir
  2. Oie :p
    Quando cliquei pra escutar a música, nem escutei um minuto, fechei o play. Essa música me traz bad, entende?
    No, "Perder contato com alguém", juro que pensei em contato de celular, porquê sou boa de perder esse tipo de contato. Já o tipo de contato do post, eu consigo não perder, pois estou sempre inventando assunto. Nem que seja pra perguntar quanto que custa seis pães. É um pouco chato, pois tem gente que não quer falar quanto que custa os pães, então eu fico lá, no chat, falando sozinha. #Alone
    Quebrar fones e carregadores, é comigo, mas só o primeiro, o segundo, minha mãe diz que eu estrago, mas creio que é nós duas que estragamos.
    Gostei bastante do post pra saber mais sobre você.
    Beijinhos;
    mallow-mars.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! Haha realmente a música é bem deprê, mas te entendo.
      Perder contato para mim é, por exemplo, perder assuntos e ver as conversas ficando cada vez mais raras e estranhas, como se eu perdesse a familiaridade com a pessoa, sabe? É estranho.
      Haha quando que custa seis pães, moça? Sou dessas que tenta puxar conversa também, mas tem vezes que nem isso parece convencer a pessoa a manter contato.
      O problema dos carregadores, no meu caso, é manter o cabo USB funcionando. Mas todo mundo que usa tem sua parcela de culpa, pois dependendo de como for o uso sempre dá problema, né?

      Beijos!

      Excluir
  3. Olá! Td bom?
    Moça, tu me descreveu ai em hushsuahsua Mas de todas, de longe, a q mais de deixa furiosa é quebrar fones de ouvido. Eu sou dependente quiica deles, n posso ficar sem, dai quando quebro fico puto de raiva hsuahsuah
    Bjinhus



    Twitter> @SkullMinds
    Snap: maisaindia
    Skull Minds

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! Eu estou bem, e você?
      Haha sério? Fico feliz que tenha "se encontrado" nos tópicos. É quase uma praga que permeia os fones de ouvido, parece que todos os meus quebram no mesmo lugar, na mesma parte do fio. Até comecei a mudar a forma como utilizo, aí a dependência diminui, mas música é essencial, né?

      Beijos!

      Excluir
  4. Olá, Isadora. Tudo bem?
    É minha primeira visita ao blog e fico feliz por perceber que não sou a única nova por aqui. Também criei meu blog recentemente (ontem, pra ser mais exata) e felizmente ainda não estou passando pela época de falta de inspiração, mas sei que cedo ou tarde ela chegará; apenas espero que demore. Eu nunca tinha ouvido falar desse projeto, pesquisarei como funciona, mas gostei dele.
    Assim como você eu também paro no meio do caminho em qualquer coisa que faço. As vezes não é nem no meio, é no começo mesmo. Seja lendo livros, escrevendo certos tipos de coisas, editando imagens e etc. Isso é algo que me revolta muito e que tento achar o motivo, mas não consigo, pra variar.
    Enfim, adorei o blog e você escreve muito bem!
    Beijos. :3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! Tudo sim, e contigo?
      Ah, seja bem-vinda também! Tomara que demore mesmo, é muito chato ficar sem saber sobre o que escrever, mas tudo se resolve. O projeto é muito interessante, e é bom para esses dias de pouca inspiração.
      É muito chato isso, sinto que estou me dedicando pouco para os objetivos que crio. Identifico-me contigo no ponto de nunca achar o motivo real para essa "desistência".
      Fico feliz que tenha gostado, e obrigada!

      Beijos!

      Excluir
  5. Oi Isa! Assim como você, ando tendo várias ideias, porém não tenho inspiração alguma para transformá-las em um post apresentável aos leitores (e nem mesmo para ficar na blogosfera ando tendo direito). Achei essa ideia de sortear os temas com papeizinhos muito bacana, acho que vou aderir quando eu não souber o que postar.

    Não consigo terminar nada do que eu começo também, principalmente minhas histórias e fanfics. E isso era muito frustrante, mas hoje isso não me incomoda mais, pois comecei a entender que nessa questão de histórias em geral cada um leva seu tempo. Agora outras coisas, como projetos, cursos, metas e coisas do gênero eu tenho bastante dificuldade pra chegar até o fim, mas eu meio que percebi que se eu me forçar, eu consigo terminar. Cada pessoa tem sua maneira pra reunir forças e chegar ao fim daquilo que começa, e a que encontrei para mim foi essa; me obrigar. E tem ajudado bastante.

    Eu perdi o contato com alguns amigos, e isso me deixava bastante triste. Porém eu percebi que de longe a culpa era minha, e sim que muita das vezes são as circunstâncias que a própria vida impõe.

    Eu odeio esperar também, mas aprendi a lidar com a minha impaciência. Sempre tenho por perto meu celular e algum livrinho em mãos para passar o tempo.

    Sinto muito pelas pessoas também, mas mais do que isso, eu me culpo por qualquer deslize meu, mesmo o mais pequeno que for. Me culpo muito, a ponto de ficar bastante mal por algum tempo. É muito chato isso :<

    Eu não quebro carregadores, mas fones... Acabei de quebrar o meu fone novinho; eu fui tirar um lado dele e ele soltou. Simplesmente saiu daquela coisinha pequena que tem um botão. Nem puxei com força nem nada, só saiu. Eu devo ter alguma maldição com fones, porque olha, não sei como tantos quebram na minha mão.

    Uma outra coisa que me irrita é quando eu faço algo de errado para alguém sem perceber, e quando vejo que a pessoa ficou afetada pelo que fiz muda de comportamento e eu pergunto o que houve, ela diz que não aconteceu nada. Deus, isso me tira do sério de um jeito... Respiro fundo e tento resolver, porque explodir não adianta.

    Beijos, Isa! ♥

    ResponderExcluir
  6. Oi! Eu fiz sorteio porque estava mega indecisa no que escrever e no final fiquei com um monte de papéis espalhados >< Sim, é uma ótima ideia para quando não se tem muitas ideias.
    A dificuldade de terminar o que começo enrola muito o meu cotidiano, mas acho que vou me inspirar em você e começar a me obrigar.
    Ah, isso já aconteceu comigo. Digo, um lado do fone ter saído do botãozinho. É triste. Fico indignada com essas coisas, ainda vou descobrir porque eles quebram tão fácil.
    Essa teimosia me irrita também, pois é mais fácil (e simples) eu ter conhecimento do meu erro e corrigi-lo, do que ficar tentando adivinhar e acabar brigando.

    Então, não sei se é um ponto positivo ou negativo que você tenha se reconhecido em alguns tópicos. Mas, de qualquer forma, agradeço seu comentário.

    Beijos!

    ResponderExcluir