24 de dezembro de 2016

Um grande desabafo e um papo sobre nuvens escuras


   E aí? Tudo bem com vocês? Gente, o blog já tem mais de 40 seguidores! Primeiramente, queria agradecer a todo mundo que vem ajudando e comentando e a galera que respondeu o questionário, anotei cada dica, sugestão e conselho e vou procurar seguir. Entre elas tinha uma que tive que assumir que erro bastante: a formatação das postagens e as imagens das mesmas. Vou procurar deixar as imagens com um tamanho legal e igual e melhorar nesses pontos.

   Mas o que eu vim falar hoje é mais pessoal, talvez essa postagem fique bem longa, mas é sincera. Esses tempos eu tenho escrito bastante coisa com uma pegada mais triste e melancólica e percebi que era assim que estava me sentindo. Eu passo muito mais tempo citando meus erros e falando de como preciso melhorar em certas coisas enquanto deveria estar cuidando mais de mim e seguir atrás de uma solução.

   Aconteceu que essa semana eu parei pra pensar e percebi que estava com uma imagem pessoal muito depreciativa e desconstruída, minha auto imagem estava péssima, assim como a auto-estima estava lá embaixo. Nisso, escrevi textos sobre pessoas que se encontravam no meio de furacões, em casas abandonadas, e também rascunhei posts para o blog. Como essa aqui, que escrevi dia 29:

   "Sei lá. Vocês já se sentiram "leves", mas leves como se precisassem de alguma coisa que segurasse vocês aqui no chão e não permitisse que você ficasse vagando por aí. Não necessariamente num sentido positivo. É estranho me sentir assim, como se tivesse um buraco que me deixasse oca, não é triste, nem feliz, é só... bizarro.

   Sabe os balões? Aqueles de hélio que saem voando por aí, porque o gás hélio é menos denso que o ar e tals. Eu me sinto como um desses, vagando por aí sem um motivo aparente. E tudo isso ao som de uma música estranha cantada pelo vento. Eu não sei o que está me incomodando, talvez algo em mim mesma, algo que estou procurando faz tempo. Já comentei aqui que estava procurando algo novo, ainda não o fiz, por motivos que são inocentes demais para eu comentar. Coisas de adolescente, alguns diriam.

   Aí, um dia desses, eu não consegui dormir, fiquei até uma 1h da madrugada tentando pegar no sono e nada me fazia dormir. Então peguei meu celular e comecei a procurar umas crônicas pra ler, nada me foi interessante. E comecei a pensar em tudo e em nada. Pensar deixa a gente estranho, né? Parece que estamos num universo paralelo, nos olhando em terceira pessoa e analisando cada ação nossa(ó as bizarrices que eu falo). Depois de um tempo, cansada, apelei pras playlist lentinhas do Spotify e dormi.

   O ponto é o que pensei, não lembro exatamente o quê, mas posso dizer que eu cheguei a conclusão de que precisava ir atrás do que está me perturbando, do que falta pra eu parar de ser tão leve quanto uma pena. De ser levada pelo vento com um simples sopro. Repito: esse "leve" de que falo não é tão legal assim. O mais engraçado nisso tudo é que eu sempre acabo indo pro lado nostálgico da coisa. Eu fico pensando em como não me sentia assim há um tempo atrás, e acabo esquecendo de procurar meios para deixar esse estado de espírito para trás.

   Estão aí os meus erros: postergar tudo e pensar demais."

   Quando escrevi isso, estava me sentindo estranha e vazia, como se nada pudesse me alegrar e eu não tivesse uma direção, não tivesse um caminho para seguir. Eu deixei esse desabafo nos rascunhos por um tempo e depois decidi que iria agendar para quando não pudesse postar por estar viajando. Só que eu mudei de ideia e resolvi não publicar.

   Alguns dias depois, no início da semana passada para ser mais exata, eu comecei a pensar que não estava aproveitando meu tempo como deveria e que estava desperdiçando minha adolescência. Eu estava tentando me encaixar num molde no qual eu não cabia. Mas, talvez o fato mais incômodo era de que eu não conseguia ver meios para chegar ao tão desejado "aproveitamento". Cansada de ficar pensando desse jeito fui conversar com uma amiga e acabei desabafando tudo que eu tinha pra desabafar e contei pra ela sobre cada detalhe da minha auto-análise maluca.

   Contei sobre como estava realmente perdida, e me culpando por cada fio de cabelo que saia do lugar e por cada coisa que dava errado. Sobre como as mudanças frequentes em todos os âmbitos da minha vida estavam me deixando triste e desanimada. E em como isso estava me matando, fazendo com que eu me sentisse cada vez mais um lixo. Sobre como eu me via como um obstáculo para meus próprios projetos e como eu não conseguia levantar minha bunda da cadeira e fazer algo que mudasse isso tudo.
   No meio da conversa, eu comecei a chorar horrores e fui procurar alguns trechos dos meus textos que tinha no celular para ilustrar, e tentar explicar para minha amiga, o que eu estava sentindo. E quando eu reli um dos meus últimos rascunhos eu chorei mais ainda, por que era uma descrição auto-depreciativa da forma como eu me via por dentro e por fora. Não era nada legal, eu mesma estava assustada com textos e descrições da minha própria autoria.

   Para me ajudar, minha amiga me ouviu e me disse que uma parte já estava percorrida: eu sabia o que eu sentia, sabia o que estava me fazendo mal. Faltava a outra parte, driblar isso tudo. Chegamos a conclusão de que a forma de eu começar a deixar essa nuvem negra que estava sobre e dentro de mim (pois é assim que eu vejo isso tudo) eram realmente partindo de uma coisa pequena. Um passo de cada vez. Inicialmente melhorando um dos pontos que me fazia começar a pensar de maneira negativa. Como a auto-estima ou o uso do meu tempo.

   O ponto que eu to querendo chegar com toda essa falação e enrolação é que eu estou começando a entender como eu posso transformar essa confusão que eu sinto por dentro, essa nuvem escura, em algo melhor. Porque tudo o que me deixou mal foram pensamentos próprios, foram espécies de neuroses que eu mesma criei pra tentar me adequar a algo que eu nunca fui.

   Minha amiga me falou mais, ela me disse algo que eu sempre li, mas nunca entedia, pelo menos não até pensar direito:

  • para me aceitar como sou, com todos os meus defeitos que me tornam especial e única
  • para tentar ignorar as opiniões alheias que são apenas piadas ou pré-julgamentos
  • para deixar de me estressar com projetos não concluídos e em coisas que desisti, porque, se eu desisti, era porque ou não me importava tanto com isso, ou porque não era realmente isso que eu queria
  • para focar nas coisas que eu realmente me importo e que eu realmente gosto, coisas e projetos que segui adiante por que fazem parte da minha vida de verdade, fazem parte do que sou
  • para deixar as coisas negativas de lado e buscar o lado positivo de tudo o que eu puder
para lembrar de pessoas importantes e que permanecem ao meu lado

   E, no final, eu decidi que vou tentar, com todas as minhas forças, soprar essa nuvem escura pra longe. Primeiramente com uma brisa leve, mas que com o tempo vai se tornar uma vento forte que vai soprar isso tudo. Eu criei um mantra, pra me lembrar disso sempre que pensar em desistir: Como o vento, eu sou capaz, eu posso e eu consigo. Também decidi começar a procurar pontos positivos em coisa que vier a me estressar ou, pelo menos, me esforçar para encontrar um.

   Não estou escrevendo essa postagem enorme só para desabafar e contar pra vocês. Estou escrevendo isso para passar o desafio dos pontos positivos para frente, agora eu desafio vocês. Eu desafio vocês a soprar qualquer nuvem escura que teime perturbar vocês. Porque vocês são capazes, vocês podem e vocês conseguem.

  Eu só queria deixar registrado aqui que esse é uma postagem sincera e que eu estou trazendo uma forma de falar que meus "dramas adolescentes" (como escuto por aí), muitas vezes, não são só meus. Tem mais gente que se sente como eu me sinto, e eu só queria falar que a gente pode mudar isso, só precisa de uma faísca, só de um soprinho de leve pra estimular a mudança. Assim como minha amiga fez, assim como espero ter feito (e continuar fazendo) pra quem esteja precisando de ajuda.
   Se você chegou até aqui e leu a postagem inteira: obrigada pela paciência. Eu estou viajando, mas decidi escrever essa postagem antes e agendá-la porque queria muito falar disso aqui no blog. E, por hoje é só isso mesmo. Ah, Feliz Natal!!

11 comentários

  1. Olá!
    Eu não tenho o que dizer sobre essa postagem, pois eu mais chorei do que li... Não sei dizer se estou me sentindo igual ou até pior que você. Mas sei que há uma diferença gritante entre nós: A vontade de mudar para melhor e/ou a aceitação. (eu acho).
    Digo, não que eu não queira melhorar, é só que para mim é MUITO mais difícil pois não tenho com quem conversar/desabafar sobre qualquer coisa, alguém próximo e que seja compreensivo. Mão tenho e nem se quer tive nesses meus 17 e dolorosos anos.
    Tanto é que um dos posts reciclados é sobre isso "Bullying Familiar", que eu nem aguento mais bater na tecla...
    Agora, nessa época do ano, assim como em todos os anos anteriores, fico mais triste que tudo... Até mais do que no meu aniversário. Pois sinto muita inveja dos outros, que estão felizes e radiantes com suas famílias maravilhosas. É muito dolorosa para mim, porém, esse ano, por algum motivo eu não sinto dor, sinto o vazio... E se tem algo pior para se sentir do que a dor, esse algo é o poderoso vazio. Ele vem me corroendo desde o primeiro ano do Ensino Médio, e se continuar assim, talvez não sobreviva para comemorar a "formatura" do terceiro...
    Desculpe por essa bíblia, mas para você ter noção, isso aqui não é nem 1/3 do que eu sinto.

    Boas Festas...

    Skull Minds |Twitter |Tumblr | Snap: maisaindia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Índia, se estiver se sentindo igual, segura minha mão (mesmo que em pensamento) e saiba que não está sozinha, ok?
      Essa minha vontade é nova, não é de agora que sinto essas coisas e vejo as coisas desandarem à minha frente sem eu não me mexer na cadeira. Na verdade, comecei a sentir raiva de mim mesma por não fazer nada e decidi mudar nesse ponto. Portanto, sei como é difícil (ou entendo em parte). Poxa, fico triste por você não ter essa pessoa por perto, mas sempre que quiser pode me chamar em alguma rede social, viu?
      Eu ainda não consegui tempo para passar nos blogs amigos, mas irei passar no seu, assim que puder, para checar os posts reciclados.
      Sim, o vazio cresce quando só nós podemos ver e senti-lo. É muito ruim esse sentimento.
      Não precisa se desculpar, eu leio todos os comentários (algumas vezes, releio também).

      Que seu final de ano esteja sendo mais agradável e que as coisas melhorem.
      Beijos (e obrigada)!

      Excluir
  2. Parabéns pelos seguidores eu sou uma deles *-* , que venham mais e mais, e que texto apaixonate. adorei , Boas festas minha linda. Beijos ♡

    floordemandacaru.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Amanda! haha'
      Boas festas!

      Beijos!

      Excluir
  3. Oi, Isa, eu estou bem e você? Espero que esteja aproveitando ao máximo a sua viagem e que traga alguma coisa relacionada a ela quando voltar, eu vou gostar de saber como foi, hehe. ☺

    Também percebi essa pegada melancólica nos seus textos, mas não sabia que isso te afetava de alguma forma. Mas realmente não é legal se sentir assim. Eu fico bem deprimida às vezes (mesmo tomando remédio) e acontece basicamente o mesmo comigo, então saiba que essa fase autodepreciativa vai passar (você se esforçando ou não para que isso aconteça). A sua amiga te deu ótimos conselhos e vale a pena seguir cada um deles, eu mesma vou seguir alguns. Ah! Recentemente comecei a meditar e sinto que a minha mente está mais tranquila, sem todos aqueles devaneios, então eu te recomendo tentar.

    Enfim, cada vez que eu entro aqui é como se eu entrasse na sua cabeça, eu gosto de refletir com as suas auto-análises porque eu me vejo bastante nelas. Acho que você está tendo mais do que coisas de adolescentes, você está tendo uma crise existencial ou algo muito próximo disso. Não sei como te aconselhar nisso tudo, porque isso é uma coisa que não depende de mais ninguém se não de você mesmo. E eu sei que você vai conseguir superar isso tudo e gostar mais da sua imagem e de quem você realmente é, mesmo não finalizando as coisas e com todos os fios de cabelo fora do lugar.

    Eu gostei do seu texto dos balões e gostei ainda mais da frase "Como o vento, eu sou capaz, eu posso e eu consigo". De qualquer forma, eu aceito o desafio, tem algumas nuvens cinzentas me incomodando, então eu vou tentar soprá-las para bem longe. Obrigada por isso!

    Até mais e boas festas! ❀

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu estou melhor, na verdade, agora que estou viajando, estou mais animada! Vou trazer algumas postagens quando voltar, em janeiro, espero que renda coisas boas para o blog haha'
      Bom, minha "produtividade" quanto aos textos é fruto dos meus sentimentos. Quando estou triste é que escrevo mais, pois tento colocar tudo pra fora por meio das minhas reflexões e metáforas malucas. Espero que ela passe, estou procurando dar um passo de cada vez.
      Saiba que estou seguindo os conselhos, sim, os da minha amiga e os seus também!
      Fico muito feliz que goste do que trago para o blog, quando o criei não esperava isso... Acho que me faz bem saber que há pessoas que se identificam e acompanham o conteúdo de uma forma positiva.
      De nada!

      Obrigada e boas festas pra ti também!
      Beijos!

      Excluir
  4. Isa, mulher, que demora é essa? Volta de viagem logo!!!!
    Cada seguidor é merecido, você entrou recentemente e tem muito pique. Geralmente (e ainda mais no começo) as blogueiras desistem antes mesmo de chegarem a 15 seguidores... :c Mas você se dedica bastante e merece ser reconhecida! <3
    ~
    Entendo como é esse sentimento. Quanto começo a ficar assim parece que a melhora jamais chegará, e como você disse, pensar deixa a gente estranho. E é horrível, por isso, quando começo a pensar demais no futuro e nos "e se" acabo ficando triste. Acho difícil, ainda mais pra mim, uma pisciana (djfkdsfn) ficar na realidade e meu vazio se forma a partir do momento em que começo a pensar no futuro. Aí, vem ela... a tal da crise existencial. Terrível e avassaladora. Baah...
    Isa, você é uma adolescente e >*jamais*< pense ser a única a passar por isso. A cobrança que recebemos pra sermos adultos, estudar pra vestibular, escolher o que quer da vida, isso tudo nos deixa com medo e anseio do futuro, pois são mudanças acompanhadas de responsabilidades que pensávamos estar longe e não nos preparamos pra isso. E o fato de não estarmos preparados causa essa culpa, insatisfação conosco e acabamos nos "auto cobrando". Acalme-se. Espero que esse sentimento já tenha ido embora quando voltar, mas esse post foi necessário pra você, e sei que para muitas outras pessoas.
    Eu também pensava isso sobre as coisas antigas que eu gostava (do tipo darkness dsfkndsfkjfn), ou sobre eu compartilhava antigamente em minhas redes sociais. Sentia a mesma coisa que você sobre seus textos: assustada. Mas veja, se não fossem eles, talvez você não teria vontade de buscar ajuda/melhora pra amenizar essa sua ferida que me parece estar aí há muito tempo, pois noto em seus desabafos sua baixa auto estima, e vejo que isso pode ser por conta de você se cobrar e não se conformar sobre ser quieta, introvertida e não entender que as pessoas te amam por ser assim. É uma característica sua. "(...) para me aceitar como sou, >*com todos os meus defeitos que me tornam especial e única*<".
    Agora quero dizer que você deve agarrar sua amiga da mesma forma que eu agarro meus chocolates porque se eu tivesse alguém que lidasse assim comigo e me orientasse como ela fez, sem ser uma psicóloga, há muito tempo teria resolvido boa parte dos meus medos e inseguranças que insistem em permanecer. De verdade, ela agiu de uma forma admirável. E você, ainda mais por procurar ajuda e querer melhorar seu problema. Parabéns pras duas. <3
    Isa, você é um chuchu!!! <3 (MUITOS CORAÇÕES, ISA; INFINITOS CORAÇÕES NESSE COMENTÁRIO SKJDNSKF) Fico imensamente feliz por esse desafio, eu estou tentando cumpri-lo há dois anos, e confesso ser uma tarefa difícil, mas cada vez mais os pensamentos de reconstrução de nós mesmos tornam-se frequentes e através disso criamos nossa paz interior.
    Enfim, espero não ter dito baboseira e desejo que se incentive mais, e quando pensar em desistir ou se achar "um lixo", arranje forças de onde você nem imaginava ter.
    Beijo, Isa. ❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Myunt do céu! Que comentário é esse? Já te disse que te amo haha <3 Eu voltarei de viagem só depois do ano novo, mas ainda tem duas postagens agendadas e estou planejando um conteúdo legal para quando eu voltar. haha' Obrigada!
      Os "e se" são como pedras no caminho, travo em todos eles. Sim... "Acho difícil, ainda mais pra mim, uma pisciana (djfkdsfn) ficar na realidade e meu vazio se forma a partir do momento em que começo a pensar no futuro. Aí, vem ela... a tal da crise existencial." sou sagitariana, mas me identifiquei muito com isso que disse!
      Eu estou melhor (um pouco), estou buscando formas de olhar pro agora e mudar esse meu estado aos poucos, degrau por degrau.
      Pois é, vendo por este lado é até bom rever essas coisas, pois elas foram úteis e impactaram a gente de alguma forma. Eu tenho que assumir que você está certa em todos esses pontos, sou assim e me auto critico bastante.
      Haha' ela mora longe :( mas quando posso gosto de demonstrar que gosto muito dela e agradecer por tudo que ela já fez por mim e me ajudou. Obrigada!
      Own e você também, flor <3
      É muito difícil mesmo, eu percebi isso quando comecei a ver por esse outro lado, mas estou conseguindo aos poucos.
      Não li nenhuma baboseira até agora, não sei do que você está falando. Obrigada, Myunt <3

      Beijos!

      Excluir
    2. Concordo com a menina Isa volta logo. ♡

      Excluir
  5. Eu sigo aqui \o/ aeee, meus parabéns! É mesmo muito bom ver o número de seguidores aumentando :3
    Mana, vamos chorar junto! Que lindo o texto <3
    Quando estou mentalmente exausta eu ouço mesmo uma boa música, porque relaxa mesmo! Eu também me sinto vazia e com certeza sem rumo. É complicado até explicar, só sentindo pra saber o quanto é difícil. Mas honestamente, eu preciso descobrir o por quê disso, esse sentimento ruim, sabe? Afinal, nos sentimos vazios por que não temos ninguém? Por que tememos o ruim acontecer? Ou são apenas os dias monótomos? Por que? Por que? Eu não entendo! Eu quero descobrir isso, eu preciso!
    Que bom que a sua amiga pôde lhe ouvir! Ouça mesmo esses conselhos, eles são ótimos <3 A gente se fortalece quando somos ouvidos, primeiramente, é tudo o que precisamos.

    ♡ { Barbie Pretty Sweet } ♡

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aeeee \o/ sim!
      Sim, recorro ás músicas também, mas tem vezes que esse sentimento de vazio e incapacidade é maior. Descobrir a fonte dos males é uma parte do caminho andando, acho que é a melhor forma de buscar a melhora. Tomara que você descubra o que te aflige, estou aqui pra o que precisar.
      Ah, minha amiga me escutou tanto que nem sei como ela não enjoou haha' e, com certeza, a principal ajuda é um bom ouvinte.
      Obrigada!

      Beijos!

      Excluir