09/10/2016

Série: Scorpion


   E aí, tudo bem? Como a vida está? Deste lado as coisas estão na mesmice de sempre, após eu ter umas "crises adolescentes" eu fiquei com certa vergonha de coisas que falei e fiz, mas acho que isso passa. Pelo menos espero que passe. Mas de resto não tenho muitas novidades. Ah, gostaria de agradecer pelos comentário do último post, quando pensei em postar não achei que tanta gente entendesse o "ponto crítico" que quis expressar... Eu escrevo textos curtos assim de vez em quando, mas tenho um problema sério para concluir textos mais longos, e costumava postá-los no meu tumblr, mas fui parando aos poucos. Provavelmente, outros textos curtos darão as caras por aqui quando eu tiver pouca criativa para postar (aquela desculpa de sempre, né?).

   Enfim, vamos ao post em si:

   Não faz muito tempo que me inseri no universo cinematográfico, na verdade é até errado eu dizer isso, porque sou uma verdadeira inocente nas conversas sobre filmes e séries, não entendo nada de direção e só um pouco sobre atuação. Mas nos últimos tempos, depois de ouvir tantos comentários, eu decidi que estava na hora de eu começar a me atualizar um pouquinho mais.

   Então, eu resolvi assistir séries e filmes mais populares, mas fiquei perdida. Perdida no sentido de não entender o enredo totalmente pensado e repensado de alguns filmes mais produzidos, ou mesmo de não conseguir lidar com séries enormes e com uma quantidade incontável de capítulos e temporadas. Mas, como já estou decidida a passar uma parte do meu tempo nesse mundo, comecei a pesquisar séries que fossem de gêneros que me agradassem mais ou temas que me interesso.

   Então, eu descobri < Scorpion />. [Preparem-se, pois este post será longo e eu, enquanto o revisava, percebi isso tarde demais. Você não está lendo exatamente uma resenha, mas sim uma recomendação bem exagerada. Já aviso-lhes sobre o risco de ter muitos comentários mega descritivos.]

   Conheci essa série há mais ou menos um ano, enquanto estava procurando séries curtas ou que tivessem poucos episódios. Como estava na primeira temporada ela entrou para minha lista, mas só fui assistir de fato quando uma colega me recomendou com o argumento de que “é boa e ponto”. Um argumento muito convincente por sinal.

   A história base/suporte não me lembro o termo certo para isso não é difícil de entender: uma equipe de gênios com QI elevados e que se destacam em diversas áreas, como mecânica, psicologia, tecnologia, matemática, ciências no geral. Não vou saber comentar direito do enredo e como a história se desenvolve sem contar spoilers, portanto vou tentar explicar os pontos positivos, negativos e alguns dos personagens. Não necessariamente nessa ordem. Tentarei ser organizada.


   Os personagens são nos apresentados aos poucos, ao longo de cada episódio temos cenas curtas do cotidiano na garagem (que funciona como o QG da equipe) que ajudam a compreender melhor como cada um sente, ama, odeia e age.  Mas a ação em si, e a atuação das mentes geniosas ocupa a maior parte dos (quase) 45 minutos.

   A cada episódio temos um desafio novo cuja solução sempre é inteligente demais, porém, como o velho ritual de séries do gênero, algo sempre acaba dando errado ou um detalhe acaba por passar despercebido. É claro que a expectativa de que os “mocinhos” consigam salvar o mundo não é quebrada, mas o que acho interessante é a forma como eles resolvem tudo. O raciocínio deles é impressionante, assim como a habilidade quase escoteira de resolver imprevistos com pequenas coisas, como, por exemplo, abrir uma porta eletrônica usando um fone de ouvido e uma pilha.

   Sabe, talvez o motivo de eu ter gostado desta série seja a minha quedinha por histórias com casos impossíveis e que se tornam possíveis ao passo que os protagonistas usam a cabeça e a inteligência. Sim, temos situações mega impossíveis, e com isso digo coisas que extrapolam o real, mas a série de acontecimentos nos levam (ou melhor, me levaram) a prender a atenção na tela e ficar angustiado com os problemas encontrados e, quase sempre, resolvidos.

    Agora, quero comentar um pouco sobre cada um dos integrantes da equipe. Os personagens possuem personalidades definidas, cada um com suas respectivas manias e problemas pessoais. Como já disse, a equipe é composta por pessoas mega inteligentes em áreas diferentes. Temos 4 gênios principais, dois "normais" e Ralph:



Walter O’Brien (ator: Elyes Gabel) – Digníssimo líder da equipe. Senhor sabidão. Hacker a nível profissional. Já hackeou a NASA. Inteligente, mas continua sendo o Senhor dos Trouxas. Parece ser frio, mas todo mundo sabe que tem uns probleminhas quando vê a crush.


Sylvester Dodd (ator:Ari Stidham) – Calculadora humana. Fã do Super Fun Guy. Nerd elevado a tripla potência. Tem problemas relacionados a ansiedade e TOC. Calcula as probabilidades de algo acontecer, geralmente coisas ruins, em todas as situações. Não o coloque em um avião. É mais forte do que parece.





Happy Quinn (atriz: Jadyn Wong) – Mecânica. Senhora das ferramentas. A faz-quase-tudo da garagem. Entende tudo de química. Parece ter problemas em demonstrar afeto. Está sempre inventando algo novo ou desmontando ou concertando. Sinceridade acima de tudo.






Tobias Curtis (ator: Eddie Kaye Thomas)– Toby. Doc. Talvez o mais sociável desses 4 (?) Behaviorista aka psicólogo/psiquiatra/entendedor do comportamento humano. Formado em Harvard e deixa isso bem claro. Não sai sem seu chapéu. Tem alguns problemas com apostas. Sempre tenta ajudar os outros com conselhos malucos. Cria teorias sobre o comportamento das pessoas tal qual Sylvester coleciona revistinhas em quadrinhos (isso é muito).


Cabe Gallo (ator: Robert Patrick) – O clássico dos clássicos. Agente federal. Corajoso. Conhece todo mundo e mais um pouco. Viciado em Café. Pode te surpreender com suas citações de filmes antigos. Só usa terno. E, segundo a Wikipédia, ele “tem uma história antiga com Walter O’Brien”. É o responsável pela comunicação da equipe com as autoridades e com o governo. É o carinha que mostra o distintivo e quase sempre safa todo mundo.





Paige Dineen (atriz: Katharine McPhee) – Mãe solteira.  Esperta. Pode não ter o QI tão alto assim, mas que manja da inteligência emocional, ela manja. A que sempre tem conselhos. A responsável por acalmar e concentrar todos e por fazer o contato equipe-mundo. "Normal".





Ralph Dineen (ator: Ryley B. Smith) - Filho da Paige. Prodígio. Interessado em astronomia e todas as outras ciências. Melhor amigo: Walter O'Brien. Foco para a maravilhosa fantasia de cérebro.






   Esses são os 6 integrantes da equipe Scorpion (e Ralph, que praticamente é um). Os conflitos pessoais dos personagens são alguns dos destaques da série, por mais que não pareça. A maioria da burradas que eles fazem ocorrem ou por terem pensado demais ou por terem sentido demais. Além disso, conhecemos as histórias dos protagonistas ao longo da primeira temporada e ao longo dos capítulos e do desenvolvimentos das pequenas tramas pessoais são reveladas as personalidades de uma forma mais profunda.

   Temos também alguns personagens secundários, que surgem por algum motivo na série, ficam por algum tempo, influenciam em algum ponto importante e logo seguem seu próprio caminhos. E isso nos relembra da importância das amizades, por mais que "passageiras", mas que nos ajudam muito e nos ensinam um bocado.

   Sabe outra coisa interessante? Eu falei antes que aqui temos "mocinhos", mas acontece que não temos vilões. Muitas vezes li sobre vilões e como eles prendem a atenção do público por serem tão humanos quanto os heróis. É aí que tá. Não temos vilões, mas sim antagonistas. Se tu não sabe a diferença eu explico de maneira curta:

Vilão é aquele que vai tentar de todas as maneiras atrapalhar e acabar com a vida do herói, já o antagonista é um personagem que se opõe ao nosso “herói”, mas isso não significa que ele não tenha senso e moral. Um vilão é antagonista, por se opor. Mas o antagonista não é necessariamente um vilão, e, além disso, o antagonista geralmente é aquele personagem que chama mais a sua atenção por ser apresentado de maneira mais profunda do que apenas um personagem que "faz o mal".

   Assim, Scorpion é uma série cujos antagonistas são os próprios protagonistas. São seus problemas emocionais e seus próprios questionamentos que atrapalham seu rendimento ou mesmo as missões, visto que, por mais que não seja esperado, as emoções influenciam nas escolhas feitas. Mas isso é uma interpretação minha.

   É óbvio que o número de vilões é grande, afinal cada imprevisto e cada problema que a equipe é convocada a solucionar é diferente e provocado por uma pessoa diferente a cada episódio. Mas, na maioria das vezes, esses personagens não ganham destaque e aparecem apenas em alguns minutos.

    Outra coisa que eu gosto na série? É que toda vez que assisto lembro-me das aulas de física haha'. A forma como a equipe usa a ciência a seu favor me faz rir, chorar, e querer ser tão inteligente quanto. Eu aprendi muitas coisas assistindo essa série, e acho que isso já valeu meu tempo. Mas vale comentar que tem algumas coisas um tanto inacreditáveis, fatos que acho muito provável que não sejam reais, e que me fazem pesquisar no google para ter certeza.


   Falei dos pontos que me fizeram gostar, agora vamos ao que me deixou chateada: em alguns episódios da segunda temporada, senti que os meus queridos gênios estavam mudando um pouco. Ah, mas tudo bem mudar, só depende da mudança. E parecia que eles estavam tentando ser o que eles não eram, por conta da pressão de tentar “ser humano” (como Walter fala). Senti que alguma coisa mudou na essência da série, mas isso foi melhorando depois.

   Por outro lado até há um aspecto positivo nisso, pois, a partir do momento que as coisas começaram a pender para o lado emocional, os temas se tornaram mais profundos. E isso me fez pensar em muitas coisas, e em como todo mundo já deixou sua "essência" de lado pelo menos uma vez na vida apenas para tentar se encaixar em algum lugar.

   No meio de tudo isso, tem espaço pra romance e humor também, até porque a seriedade merece um descanso de vez em quando. Cada um dos gênios nos faz rir com algo diferente e isso é o mais legal na minha opinião, pois eles são amigos ao mesmo tempo que são tão diferentes e brigam por motivos estranhos e, ás vezes, idiotas. É até engraçado pensar que na bagunça de sentimentos com a qual eles convivem exista OTP's "shippáveis".


   Meu OTP favorito é esse aí de cima, Doc e Happy aka Quintis (Happy Quinn + Toby Curtis).

   A série é exibida no canal CBS e tem na Netflix. São duas temporadas completas e agora, no ínicio de outubro, a série foi renovada para a terceira temporada. A série é baseada na suposta vida de um verdadeiro Walter O'Brien, que diz ter um QI tão alto quanto o dos gênios da série. Pesquisei a respeito e, sinceramente, acho a série mais interessante haha' Acho um pouco improvável isso tudo, até porque a série soa mais como uma vida que ele gostaria de ter e não teve seguindo à risca. btw é só isso mesmo.
   
   Espero de coração que eu não tenha soltado um spoiler aqui, eu realmente tentei não contar muito sobre fatos grandes e importantes, mas sou péssima em resumos(e também, como devem ter percebido, em escolher imagens e gifs para post haha). Não sei se a série será do gosto de todo mundo, até porque tem muitas críticas negativas pela internet, mas,  de qualquer jeito, eu deixo minha recomendação.

8 comentários:

  1. Por aqui está tudo bem, como sempre. Não tive tempo para comentar no post anterior, mas li logo que postou. Adorei sua escrita, ainda mais por ter me feito refletir após a leitura.

    Bom, eu conheci a série a pouco tempo, ainda falta alguns episódios para terminar a primeira temporada. Mas eu gostei, pra ser sincera. Quando minha amiga me recomendou, estava com poucas expectativas e no final pude me surpreender. Meu personagem preferido até agora é o Toby, bem previsível vindo de mim. Sempre crio um carinho por personagens relacionados a psicologia, e ainda mais quando ele é um gênio do comportamento humano.
    Bom, não posso opinar muito pois ainda não terminei a série. Porém, fiquei bem satisfeita com ela, apesar de achar que alguns episódios são bem previsíveis.

    Adorei a análise da série ♥ Fiquei até com vontade de assistir mais alguns episódios, quem sabe mais tarde eu assista algum.

    Até mais. palavras agridoce

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Isabela! Ah, fico feliz por isso, e que continue assim! Obrigada!
      Sim, quando comecei também não esperava muito, mas fui criando gosto. Toby é um dos melhores, mesmo. Consigo rir dele ao mesmo tempo que tenho vontade de bater nele haha
      A questão de alguns serem previsíveis eu acho um bom comentário, pois realmente alguns episódios se tornam chatinhos por que é fácil entender como as coisas irão se desenrolar.
      Ah, obrigada! Assista, sim.

      Beijos!

      Excluir
  2. OI!
    Sinceramente! Acho que nunca tive uma "crises de adolescente", até porque eu tenho só 14 anos, mas mesmo assim...
    Desculpe, mas nunca ouvi falar nessa série :c Ela parece ser legal, mas não sei se veria. Eu também não vejo muitas séries, na verdade nunca vi uma, mas tem algumas que eu já quis ver.
    Deu pra perceber que você realmente gostou muito da série, pelo jeitinho que você escreveu ela.
    Kisses.
    mallow-mars.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Taah!
      Ah, então isso é uma coisa boa. 1Essas "crises" a que me refiro são meus draminhas e besteiras que faço sem pensar, nada legais.
      Scorpion não é uma série tão conhecida, mas eu achei interessante. Ah, não tem problema, a temática atrai mais para quem já viu alguma série parecida ou se interessa pelo gênero. Sim, realmente gostei.

      Obrigada por comentar!
      Beijos!

      Excluir
  3. Acho que já ouvi falar, maS FIQUEI curiosa <3

    beeijão :)
    http://www.carolhermanas.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! A série não é tão conhecida assim, mas está ganhando seu espaço.
      Beijos!

      Excluir
  4. Olá,Isadora! Como vai? Eu me arrepiei de cima a baixo quando li Scorpion. CARA,SCORPION É MINHA SÉRIE PREFERIDA! Também tenho dificuldade com os textos. Eu já tinha visto ela na netflix,e ela ficava me namorando e foi então que um dia eu decidi assisti - lá e acabei me apaixonando. O QI do Walter é muito alto e as vezes me impressiono com todos os personagens,confesso que desde do inicio shippei ele com a Paige. Sylvester e sua paixão Super Fun Guy,não sei se você chegou no episódio que todos eles se vestem (cada um com a roupa de um dos personagens do quadrinho) e foi engraçado,não vou mentir! Ele sempre tem medo de entrar em missões mais perigosas,mais vamos fazer o que. A Happy é meio durona com o Toby e as vezes fico meio que com dó dele,mais no final é surpreendente *spoiler* e enfim eles começam a namorar,mesmo sabendo que a Happy é casada com um cara e blá blá blá. Gosto do Ralph,mesmo ele sendo diferente de todas as crianças da idade dele,quem dera eu fosse igual ele com toda essa inteligência! O Cabe tem sim uma história com o Walter,ele foi até a casa do Walter e o Cabe estava em uma missão e o Walter teve que fazer (alguma coisa) pra ele,não sei explicar bem tem que assistir pra entender! No final da segunda temporada (ou no meio) aparece o TIM e juro que da vontade de matar ele quando ele começa dar em cima da Paige,e o Walter fica com ciumes e tal.. No ultimo episódio da 2 temporada é o mais atraente e nos faz querer assistir muito a 3 temporada.. Vamos ver no que vai dar esse tal "relacionamento". Eu já assisti o primeiro episódio que na verdade é um episódio duplo (1 e 2 ep juntos) e está ficando cada vez melhor. Até sabado sai o 3 episódio Legendado ♥ BEIJÃO!
    | reckless |

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luccas! Eu estou bem e você?
      Sério? Eu realmente gostei bastante da série. Ah, Sylvester é uma comédia e, sim, já vi esse episódio (um dos meus favoritos <3). Happy tem uma personalidade forte, mas é uma das minhas personagens favoritas, também fico com certa pena do Toby, mas haja amor pra manter esse relacionamento. Haha' Ralph é um fofo mesmo e mais inteligente que muitos "Newton's" por aí haha (foi uma piada ruim, tenho que assumir)
      Ah sim, conheço a história do Cabe e Walter, mas quis deixar a frase da Wikipédia por que tentei colocar em tópicos e percebi que contei spoilers. Tim é um peso na vida Paige, ninguém merece ele, tenho vontade de esbofetea-lo, mas não tanto quanto tenho vontade de gritar pro Walter o quanto ele deveria se mexer, pena que ele não tem tanta confiança nessas coisas.
      Sim, quando terminei a segunda temporada fiquei com uma vontade louca de de continuar assistindo e só não fiquei desanimada por que a terceira temporada já estava confirmada. Estou louca pra assistir.

      Beijos!

      Excluir